Geral Esportes Sociais Rural
Cerro Branco | Chocolate & Pimenta | Cotidiano | Editorial | Educação | Especial | Humor | Inspiratu | Novo Cabrais | Opinião | Paralelas | Pingos e Respingos | Polícia | Política | Radar | Saúde

Últimas Notícias RSS

Edição Nº1745 - Candelária, Sexta-feira, 22 de Julho de 2011
Do solo candelariense para o prato de centenas de crianças
Por Cláudia Priebe
22/07/2011 11:09
A+ | A-
Refeições mais saudáveis e nutritivas: crianças se deliciam com a comida preparada com produtos naturais. Em contrapartida,  agricultores são beneficiados e ampliam seus ganhos Refeições mais saudáveis e nutritivas: crianças se deliciam com a comida preparada com produtos naturais. Em contrapartida, agricultores são beneficiados e ampliam seus ganhos
O município conquistou posição de destaque no que se refere ao fornecimento de produtos para compor a merenda dos alunos das redes municipal e estadual de ensino. Pelo menos 40 itens produzidos em solo candelariense estão sendo fornecidos para educandários e prefeituras de toda região. Em Candelária, 19 estabelecimentos já são atendidos e nos municípios vizinhos outros 29. A compra de produtos da agricultura familiar ou do empreendedor familiar rural para a alimentação escolar está prevista na lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, que determina a utilização de pelo menos 30% dos recursos repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) nessa finalidade.
Além de atingir o índice, Candelária está suprindo a demanda de outros locais, como Novo Cabrais, Cerro Branco, Vale do Sol, Vera Cruz, Santa Cruz, Sinimbu, Lagoa Bonita, Passa Sete, Arroio do Tigre, Ibarama e Estrela Velha. Tal resultado deve-se, em primeiro lugar, ao incentivo dado pela prefeitura e à articulação da Emater junto aos produtores e aos compradores. "A Emater organiza o produtor, para que ele plante seguindo um cronograma de colheita e, assim, possa fazer a entrega da mercadoria no prazo estipulado. Depois, ainda providencia toda a documentação para que as escolas participem das Chamadas Públicas para aquisição dos alimentos", explica o técnico agrícola do escritório local, Sanderlei Pereira. Junto às escolas igualmente foi desenvolvido um importante trabalho para orientar e conscientizar as merendeiras sobre o preparo correto dos alimentos e seus valores nutritivos.
Conforme ele, dois fatores foram fundamentais para que Candelária conseguisse atender à demanda: a organização da Associação dos Feirantes Ecológicos (Afecan), que possui quase 30 anos de atuação, e o fomento à instalação de agroindústrias em Candelária. "A Emater está trabalhando nessas duas questões há muitos anos. Hoje, todas as agroindústrias possuem o Alvará para funcionamento e fazem as análises dos produtos na Universidade Federal de Santa Maria ; isso facilitou muito o processo de comercialização", acrescenta, evidenciando que o fornecimento de alimentos é feito por 23 famílias, mas beneficia até 150 pessoas. "Os produtores também têm seus fornecedores, por isso o número de envolvidos é maior". Pereira assegura que a base do grupo que produz os alimentos é a Associação dos Feirantes Ecológicos de Candelária, que reúne 19 famílias.

BENEFÍCIOS - Em entrevista à Folha, o técnico agrícola enumerou os benefícios propiciados desde que a lei entrou em vigor. "Houve mudança significativa no cardápio das crianças e, por consequência, a melhora da alimentação através do consumo de produtos mais naturais e menos industrializados; a valorização dos produtos locais; a circulação de mais recursos no município; o aumento dos ganhos dos produtores; e a garantia de comercialização daquilo que se planta", expôs. A venda de alimentos para a merenda escolar totalizou R$ 100.365,50 em 2010. Neste ano, de acordo com Sanderlei Pereira, a meta é aumentar o valor para R$ 150.000,00. "Até o momento, foram comercializados R$ 144.628,44. Se continuar como está, pode se chegar a R$ 250.000,00 até o fim do ano", destacou.

PROJEÇÕES - Sanderlei disse que as escolas poderão ampliar o índice de 30%, tendo em vista que esta é a meta mínima. "Podemos chegar a 40, 50 ou até 100%. Desse modo, mais crianças e produtores serão beneficiados. Para tanto, a criação de um Centro de Distribuição de Merenda, onde os agricultores poderiam organizar os kits e fazer a triagem dos alimentos, se torna importante", declarou. No futuro, também poderão ser incluídos novos produtos na lista de itens ofertados. No mês de agosto, nos dias 18 e 24, serão feitas viagens para São Martinho da Serra e Santa Maria com o propósito de conhecer possíveis alternativas, como um abatedouro de galinha colonial e uma agroindústria que processa e embala mandioca a vácuo. Também está prevista a instalação de mais um moinho colonial, na localidade de Alto Passa Sete, que já está em andamento e deverá oferecer, entre outros produtos, farinha de arroz. Um detalhe importante é que os produtos orgânicos, comumente mais valorizados no mercado, estão sendo ofertados na merenda escolar ao mesmo valor dos não-orgânicos, em função dos preços de referência.

Quem produz o quê?
Quem fornece
*Ricardo Calheiro; *Leandro Brandt; *Arvin Ziemann; *Iria Faber; *Romeu Brandt; *Sílvia Reis; *Ademir José Boetger; *Lody Müller; *Eliseu Faber; *Lenar Gewehr; *Alcides Müller; *Euzébio Henrique; *Carla Zilmann; *Suzana Ellwanger; *Astor Gewehr; *Liselote Faber; *Leoni Müller; *Ângela Boeck; *Cláudio Hennig; *Marcos Bartz; *Fernando Wollmann; *Haroldo Gewehr; *Josiel Gewehr.

Produtos fornecidos
*Arroz branco; *Alface lisa; *Aipim; *Agrião; *Abóbora de pescoço; *Abóbora comum; *Abobrinha verde; *Banana; *Bergamota; *Batata doce; *Beterraba; *Brócolis; *Biscoito doce caseiro; *Biscoito de mel; *Biscoito rosca; *Biscoito caju; *Biscoito de coco; *Biscoito macrone/amendoim; *Biscoito de farinha de milho; *Biscoito goiabinha; *Biscoito salgado caseiro; *Cenoura; *Couve-flor; *Couve verde; *Cuca; *Espinafre; *Feijão preto; *Limão/bergamota; *Laranja; *Moranga verde; *Moranga cabutiá; *Melado; *Massa caseira; *Ovos vermelhos; *Puxa-puxa de melado; *Repolho; *Rapadurinha; *Rabanete; *Sucos; *Schmier; *Tempero Verde.
Em Candelária, os produtos da agricultura familiar são consumidos por crianças da creche municipal, de escolas municipais e estaduaisEm Candelária, os produtos da agricultura familiar são consumidos por crianças da creche municipal, de escolas municipais e estaduais
Notícias Anteriores - Especial
Página 1 de 17
17/04/2014 - Classinda e o anseio por viver melhor
25/03/2014 - Raquel não enxerga, mas quer (e pode) cantar
18/03/2014 - Três momentos de uma mesma história
18/03/2014 - Um jornal que segue a serviço da comunidade
18/03/2014 - Uma história que deu certo
18/03/2014 - Meta é inovar e aumentar atuação regional
07/03/2014 - A mulher e suas faces
24/12/2013 - As celebrações de Natal em família...
24/12/2013 - Papai Noel faz a alegria da criançada
13/12/2013 - Apesar de novos casos de câncer, histórias de superação se acumulam
08/11/2013 - Joanice, três anos voltados à educação dos detentos
01/11/2013 - Odete e Belarmino, nove anos dedicados ao Hospital Candelária
25/10/2013 - Lauro, um dos fundadores dos Bombeiros Voluntários
18/10/2013 - Júlio, uma vida dedicada ao escotismo
19/09/2013 - Homenagem à identidade gaúcha
19/09/2013 - Tradição cultivada há 57 anos
19/09/2013 - Uso da pilcha requer cuidados
19/09/2013 - Unidos pela tradição
19/09/2013 - Desfile amanhã encerra as atividades em Candelária
03/09/2013 - Paleontologia ganha destaque com a criação do Museu