Logo Folha de Candelária
Colunista 16/08/2017 13:53
Por: Guilherme Brambatti Guzzo
Guilherme Brambatti Guzzo

Guilherme Brambatti Guzzo

Guilherme Brambatti Guzzo nasceu em Sananduva/RS, é biólogo e professor. Atualmente, é docente no curso de Ciências Biológicas da Universidade de Caxias do Sul e cursa doutorado em Ensino de Ciências e Matemática pela PUCRS. A coluna tratará de livros e discutirá temas relacionados à educação e às ciências.

A teoria das janelas quebradas

O médico Drauzio Varella é uma das figuras mais conhecidas da medicina brasileira entre o grande público. Suas aparições em programas de TV, seus artigos publicados em vários jornais e na internet, além de seus livros, o tornaram uma figura célebre e ajudaram a popularizar ideias importantes sobre ciência e saúde no Brasil.

O trabalho mais conhecido do médico talvez seja “Estação Carandiru”, no qual ele relata sua experiência na lida cotidiana com os presos da Casa de Detenção de São Paulo, até então o maior presídio do país. A habilidade que Varella mostrou ao descrever os detalhes da vida carcerária se estende aos mais diversos assuntos, sejam científicos, como quando o autor trata de explicar (com propriedade) os mecanismos da ideia de seleção natural de Darwin, até temas do cotidiano, como quando o médico relata as conversas que manteve com um taxista que confessa trair a esposa.

Uma boa amostra do talento de Drauzio Varella pode ser encontrada em “A Teoria das Janelas Quebradas” (Companhia das Letras, 2010), uma seleção de pequenas crônicas sobre ciência, vida cotidiana e saúde. A teoria do título da obra é também assunto de um dos textos do autor. Desenvolvida por dois cientistas sociais americanos no início da década de 1980, a chamada “teoria das janelas quebradas” é uma ideia que considera os sinais de desordem urbana como fator importante na recorrência de crimes. Locais sujos, pichados e com estruturas quebradas seriam indícios de abandono e descaso do poder público, de ausência de autoridade, o que pode induzir alguns indivíduos a cometer crimes nesses lugares.

Programas famosos de combate ao crime, como o de tolerância zero em Nova York, foram baseados nas ideias da teoria das janelas quebradas. Apesar de ter sido adotada como base para a reestruturação de planos de segurança de cidades em diversos países, a teoria ainda é contestada por alguns antropólogos, que afirmam que os bons resultados obtidos em lugares como Nova York estão mais relacionados ao combate às drogas, ao planejamento familiar e à repressão do que à manutenção da ordem de prédios e ruas.

Além de discutir a teoria das janelas quebradas, Varella aborda outros temas instigantes, como a influência (ou a não influência) do pensamento na cura de doenças, os textos que escrevem em seu nome e que fazem grande sucesso na internet, a teoria evolutiva de Darwin e suas implicações na vida humana, e os dramas diários de cidadãos comuns. Tudo isso descrito com a perspicácia que tornou o Dr. Drauzio famoso em nosso país.